• Diamantino, 19/07/2018
  • Dólar: R$
  • Euro: R$
  • Fonte Yahoo Exchange
DELAÇÃO NA CARAMURU

Empresário deverá devolver R$ 1 milhão para se livrar de ação 566

Alberto Borges de Souza pagará montante em duas parcelas para não responder por improbidade


Fotografia: Reprodução

O empresário Alberto Borges de Souza, proprietário da Caramuru Alimentos S/A, se comprometeu a devolver R$ 1 milhão ao Estado para não responder a uma investigação de improbidade administrativa, que apura esquema de fraude e propina envolvendo a empresa.

 

O compromisso foi feito com o Ministério Público Estadual e com o Estado, por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), e faz parte da delação premiada firmada por Alberto Souza – que ainda está sob sigilo.

 

A investigação em questão é relativa à Operação Zaqueus, deflagrada pela Delegacia Fazendária em maio do ano passado.

 

Conforme as investigações, uma multa aplicada à empresa Caramuru Alimentos S/A foi reduzida de R$ 65,9 milhões para pouco mais de R$ 315 mil, mediante o pagamento de propina de R$ 1,8 milhão a três agentes de tributos.

 

O caso já gerou uma ação penal em que Alberto Souza é réu junto com os demais envolvidos no esquema: os agentes de tributos estaduais André Fantoni (apontado como principal articulador do esquema), Alfredo Menezes de Mattos Junior e Farley Coelho Moutinho; os advogados Sandra Mara de Almeida e Themystocles Figueiredo (delator do caso); e o representante da empresa Caramuru, Walter de Souza Júnior.

Em caso de descumprimento de quaisquer das obrigações aqui assumidas, salvo caso fortuito ou de força maior, o compromissário estará sujeito a multa no valor de 10% sobre o montante inadimplido

 

No depoimento à Defaz, o empresário confessou ter pagado a propina e se disse arrependido do ato.

 

Ao firmar o TAC, o empresário concordou em devolver R$ 1 milhão, a título de multa, em duas parcelas: a primeira de R$ 550 mil a ser paga até o dia 26 de abril, e a segunda de R$ 450 mil com vencimento no dia 30 de julho deste ano.

 

Ele também aceitou ter os direitos políticos suspensos por oito anos.

 

A primeira parcela de R$ 550 mil terá como destinatário o 1º Batalhão do Corpo de Bombeiros do Estado, valor que será usado para obras de reforma e manutenção predial.

 

“O compromissário deverá comprovar o pagamento da obrigação estipulada na cláusula anterior, mediante apresentação do(s) comprovante(s) de depósito ou transferência bancária a esta Promotoria de Justiça e ao Comando do 1º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso”.

 

Os outros R$ 450 mil deverão ser destinados à Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), verba que terá a finalidade de adquirir armamento e munições em favor do Grupo Especial de Fronteira (Gefron).

 

Tanto o Corpo de Bombeiros quanto a Sesp deverão prestar contas dos valores recebidos em até um ano.

 

“Em caso de descumprimento de quaisquer das obrigações aqui assumidas, salvo caso fortuito ou de força maior, o compromissário estará sujeito a multa no valor de 10% sobre o montante inadimplido”, diz trecho do termo.

 

O TAC foi assinado pela promotora de Justiça Audrey Ility; pela procuradora-geral do Estado, Gabriela Novis Neves; pelo advogado de Alberto Souza, Huendel Rolim; pelo controlador-geral do Estado, Ciro Rodolpho; pelo secretário de Estado de Segurança Pública, Gustavo Garcia; pelo comandante do Gefron, José Nildo Oliveira; pela Comandante do 1º Batalhão do Corpo de Bombeiros, tenente-coronel Luciana Bragança Silva; pelo comandante geral do Corpo de Bombeiros, Alessandro Ferreira; pelo major do Gefron, Luiz Marcelo da Silva; e pelo sub-procurador-geral do Estado, Luiz Otavio Trovo.

 

Confesso

 

Apesar de a delação ainda estar sob sigilo, no ano passado o empresário já havia confessado sua participação no esquema.

 

Na oportunidade, Alberto Souza alegou ter acatado a oferta de pagamento de propina por medo de que a Caramuru passasse a ser alvo de perseguição por parte de agentes corruptos.

 

"Eu me arrependo de ter aceito a exigência dos pagamentos de propina, no entanto, friso que somente concordei pois acreditei que se não pagasse as propinas a empresa seria autuada e perseguida no Estado, através de agentes corruptos conforme a ameaçada perpetrada por André [Fantoni] através de Walter [de Souza Júnior]. A empresa se compromete desde já em efetuar o pagamento correto de todos os tributos acaso devidos em um julgamento imparcial, sendo que estou à disposição para esclarecimento de todos os fatos", diz trecho do depoimento.

 

Durante o depoimento, Alberto Borges ainda afirmou ter convicção de que a maioria dos processos administrativos da Sefaz contra a Caramuru são indevidos. Isso porque eles teriam como tema a comprovação de isenção de ICMS para soja destinada à exportação, conforme previsto na Lei Khandir.

 

De acordo com o presidente da empresa, a complexidade da legislação estadual quanto ao tema é que teria motivado a secretaria a não aceitar a documentação apresentada para comprovar tais exportações.

 

"Sendo assim, após as informações levadas por Walter para mim, a empresa ficou com medo de julgamentos desfavoráveis , o que poderia suscitar prejuízos financeiros altíssimos, motivo pelo qual acabei concordando com as exigências feitas por André”, diz trecho do depoimento.

 

Veja trecho do acordo:

 

print delação alberto souza

 

 

O esquema

 

Segundo o apurado na Operação Zaqueus, André Fantoni, Alfredo Menezes e Farley Moutinho receberam propina de R$ 1,8 milhão para reduzir a aplicação de uma multa à empresa Caramuru Alimentos S/A de R$ 65,9 milhões para R$ 315,9 mil.

 

Enquanto Fantoni teria arquitetado a fraude e ficado responsável pelo contato com representantes da Caramuru, Alfredo Menezes e Farley Moutinho foram os julgadores do processo em questão em primeira e segunda instâncias administrativas, respectivamente.

O esquema chegou ao conhecimento dos investigadores após o advogado Themystocles Figueiredo procurar a Defaz para negociar uma delação premiada. As afirmações dele é que serviram como base para os mandados de prisão preventiva contra os três agentes de tributos.

Os três servidores respondem pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e fraude processual. André Fantoni responde ainda por coação no curso do processo, estelionato e associação criminosa. Esta última acusação também pesa contra Alfredo Menezes.

Já Walter de Souza Júnior responde por corrupção passiva, fraude processual, estelionato e lavagem de dinheiro. O empresário Alberto Borges de Souza, por sua vez, responde por lavagem de dinheiro.

A advogada Sandra Mara de Almeida, ex-esposa de André Fantoni, é acusada de corrupção passiva e estelionato. O advogado Themystocles Figueiredo, colaborador da Justiça, responde por lavagem de dinheiro.

Veja também

Alianças Veto do PSL a aliança com tucanos e mais 8 siglas complica Selma e Galli na disputa
Diamantino nada!!! Recurso sobre mandatos de vereadores entra na pauta do TRE
PSDB Moro contrariou quatro vezes ordens de tribunais superiores
Laranja 2016 MP aguarda decisão contra nove parlamentares por uso de 'laranjas' nas eleições de 2016
TRABALHO E DIVERSÃO Galli assiste a jogo da Copa do Mundo em pleno debate sobre agrotóxicos na Câmara
PRÉ-CANDIDATO Pivetta mantém pré-candidatura após decisão de Mauro Mendes
Publicidade

Copyright © 2013 - 2018 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados