OITO MIL VAGAS

Mato Grosso cria oito mil novas vagas de trabalho em julho 151


Fotografia: Ilustração

Mato Grosso apresentou mais um saldo positivo na geração de empregos este ano. Em julho foram criados 8,085 mil novos postos de trabalho com carteira assinada, diferença entre as 34,374 mil contratações e 26,289 mil demissões. O saldo é 39,9% superior ao do mês anterior, que teve saldo de 5,779 mil vagas celetistas. Em relação a julho de 2016, quando o saldo foi de 2,016 mil postos de trabalho, o avanço é 301%. Os dados fazem parte do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pelo Ministério do Trabalho nesta quarta-feira (9).

O Brasil teve crescimento do número de empregos pelo 4º mês consecutivo, com a abertura de 35,9 mil novas vagas formais, resultantes de 1,167 milhão de admissões e 1,131 milhão de desligamentos. Mato Grosso apresentou o 2º maior saldo de empregos do país em julho (8,085 mil) ficando atrás somente do estado de São Paulo, que criou 21,805 mil novas vagas no mesmo período.

Na opinião do ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, os dados mostram que a economia brasileira está dando sinais gerais de recuperação. Além disso, ele prevê que a partir da entrada em vigor da modernização da legislação trabalhista, o país deve abrir mais postos de trabalho. “Com as novas modalidades de contratos e a segurança jurídica, a previsão é de que nos próximos 2 anos sejam criados 2 milhões de empregos no país”, disse durante a divulgação do balanço de empregos.

Em Mato Grosso, a criação de postos de trabalho foi puxada, principalmente, pelos setores do agronegócio e da indústria. Esta última gerou 2,298 mil empregos diretos com carteira assinada, com destaque para os subsetores de produtos alimentícios, bebidas e álcool etílico, que abriram 1,264 mil vagas, e a indústria têxtil, que foi responsável pela criação de 724 postos de trabalho no Estado.

A abertura de vagas na indústria alimentícia foi impactada, certamente, pela reativação de duas plantas frigoríficas no Estado, a unidade da Marfrig de Nova Xavantina, que já demandou o preenchimento de cerca de 400 vagas, com possibilidade de aumentar para até 900 futuramente; e da Minerva em Mirassol D’Oeste, que tinha previsão de contratar 720 funcionários.

O vice-presidente do Sindicato das Indústrias de Frigoríficos de Mato Grosso (Sindifrigo-MT), Paulo Bellincanta, pontua que o resultado é uma oscilação positiva do setor, impactado pela crise da pecuária, mas que não é necessariamente motivo de comemoração. “Já existia uma ociosidade nos frigoríficos do Estado. Com a reabertura de outras unidades há uma interrogação se esta ociosidade não será maior”.

Veja também

NINGUÉM GANHA Ninguém ganha e prêmio da Mega Sena acumula
PODE PARALISAR Governo deve mais 900 mil para o hospital regional de Diamantino e mais 10 municípios são afetados
OPORTUNIDADE Unemat abre vaga para interprete de libras
CONCURSO Divulgação do resultado de prova para professor será dia 16: confira demais cargos
INVASÃO INDÍGENA Justiça de Sinop requer e Força Nacional 'ocupa' usina no Nortão devido ameaça de invasão indígena
ADIANTAR O RELÓGIO Horário de verão 2017 começa neste domingo em Mato Grosso
Publicidade

Copyright © 2013 - 2017 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados