ALERTA

OMS: quem for a SP e RJ deve tomar vacina contra fabre amarela 597


A Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a recomendar a vacina contra febre amarela para todos os viajantes internacionais que se destinam ao Estado de São Paulo, com exceção das áreas metropolitanas da capital e de Campinas. A orientação, divulgada nesta segunda-feira, 20, é mais abrangente do que a adotada atualmente no Estado, pois inclui toda a região litorânea paulista, hoje considerada livre de risco para a doença.

O coordenador de Controle de Doenças da Secretaria de Saúde de São Paulo, o infectologista Marcos Boulos, afirmou que a mudança da OMS não vai alterar a recomendação local. "Não vemos atualmente motivo para vacinar a população do litoral. Não há até o momento nenhum indício de risco de febre amarela naquela região." Boulos acredita que a recomendação da OMS foi tomada diante dos casos na Serra do Mar do Rio e do receio de que os casos avancem para São Paulo.

"O monitoramento está sendo realizado. Os casos ocorreram em uma região distante do litoral paulista", completou. O diretor assegurou que, caso seja observado o aparecimento de infecções suspeitas ou de mortes de macacos com indícios da doença em áreas mais próximas de São Paulo, a estratégia será revista. "Nessa situação podemos começar a pensar em cobrir o litoral norte paulista. Mas no momento ainda não."

Boulos afirmou ser necessária muita cautela na indicação da vacina contra febre amarela. Ele lembrou que, como o imunizante é feito com o vírus atenuado, há um risco (embora pequeno) de reações adversas. A estimativa é de que ocorra entre 1 morte a cada 200 mil e até 1 morte a cada 1 milhão de doses aplicadas. "Daí a necessidade de se fazer uma imunização com cuidado, selecionando gradativamente as pessoas que estão sendo imunizadas."O diretor criticou a conduta que está sendo adotada no Rio, com indicação de vacina para toda população. "É uma irresponsabilidade", classificou.

"Se toda população for vacinada, há um risco de o Estado registrar, pelo menos, 16 mortes provocadas por reação ao imunizante", avaliou. Ele lembrou ainda que o número de casos da doença registrados no Estado não justificam a ação nestas proporções.

O infectologista observou que, em casos de vacinação aleatória, profissionais de saúde têm menos recursos para filtrar os casos em que o imunizante é contraindicado, como pessoas com doenças autoimunes ou que fazem uso de remédios que diminuem a resposta imunológica. "Mesmo com todo cuidado na vacinação, há em São Paulo duas mortes prováveis de terem sido provocadas pela vacina. No caso do Rio, isso pode chegar a 60."

Boulos disse estar convicto de que a febre amarela está se alastrando pelo País. "Sabemos que a doença vai chegar em outras áreas do Estado. Mas a previsão é de que isso não aconteça agora. Vamos ampliar a vacinação, mas com calma, com cautela."

Além de São Paulo, o comunicado da OMS recomenda que viajantes que se destinam para o Rio (com exceção da capital e de Niterói) também sejam imunizados contra a febre amarela. Este é a terceira alteração nas orientações a viajantes feita pelo organismo neste ano. Em janeiro, a OMS estendeu a indicação da vacina para 69 municípios do sul e sudoeste da Bahia. No dia 6 deste mês, foi a vez de a recomendação ser feita para todo o Espírito Santo.

O Ministério da Saúde afirmou que não haverá alterações na recomendação da vacina no País. Além das áreas já consideradas de risco, em São Paulo o imunizante é recomendado para 125 cidades; no Rio, para 55. No Espírito Santo, por sua vez, 78; e na Bahia, 35.

Veja também

CÁCERES MP aponta irregularidades e tenta anular processo seletivo
VLT Trens do VLT podem parar na África e secretário diz ser possível operar trecho até o fim de 2018
BOLADA Mega-Sena acumula e pagará prêmio de R$ 32 milhões
SAÚDE Nobres receberá R$ 1,5 milhão da Votorantim para utilizar na Saúde
DESEMPREGO Desemprego em Mato Grosso atinge menor patamar dos últimos quinze meses
SELETIVO Guarantã no Norte abre processo seletivo para contratação de agentes de saúde; salário de R$ 1,2 mil
Publicidade

Copyright © 2013 - 2017 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados