INVESTIGAÇÂO

Justiça Federal investiga mato-grossense por ofensas a Sérgio Moro na internet 334


Fotografia: Rogério Florentino Pereira/OD

Um internauta de Mato Grosso será investigado por crimes de calúnia e difamação contra o juiz federal de Curitiba (PR), Sérgio Moro, responsável pela condução da “Operação Lava Jato”. Os comentários ofensivos teriam sido feitos anonimamente em uma notícia no site G1. A Quinta Vara da Justiça Federal em Mato Grosso será responsável pela condução da apuração. A determinação para envio dos autos foi dada na última quarta-feira (09), pelo juiz federal João Moreira Pessoa de Azambuja.

Conforme os autos, a Superintendência Regional da Policia Federal no Paraná instaurou o inquérito para apurar a prática criminosa em virtude da emissão, em 15 de abril de 2015, de mensagens ofensivas à honra do juiz Federal Sérgio Moro e de Delegados da Policia Federal que integram a Operação “Lava Jato”.

As postagens foram feitas em sessão de comentários da matéria “Tesoureiro do PT é preso em casa na nova etapa da Operação Lava Jato”, publicada no site G1, por meio da identidade falsa "José Arruda". A reportagem abordava a ordem de prisão expedida por Moro em desfavor de João Vaccari Neto, suspeito de envolvimento no esquema da Petrobras.

Em seu comentário, o perfil “José Arruda” insinua que “malas de dinheiro” influenciaram Sérgio Moro a expedir a ordem de prisão. A postagem foi apagada, mas não a tempo de evitar enorme debate entre os leitores, que o acusaram de receber dinheiro para fazer a postagem. Outros o advertiram sobre os riscos de um processo por calúnia e difamação.

A quebra de sigilo do comentário postado no site foi determinada pela justiça. A investigação descobriu que o telefone e o e-mail informado pelo usuário "José Arruda" pertencia a Edesio da Silva Evangelista, que residiria em Cuiabá. Identificou-se, entretanto, que o IP do registro do usuário no site G1 pertence a um terceiro, Pablo Vinícius de Andrade, com endereço em Campo Verde.

Por se tratar de investigados residentes em Mato Grosso, os autos ficaram a cargo da justiça deste Estado. “Desse modo, retornando este inquérito policial da Justiça Federal deverá ser imediatamente encaminhado ao juízo da 5ª Vara para a restauração da movimentação processual, a fim de se evitar nova distribuição para este juízo, o que acarretaria o recebimento de uma nova numeração, diversa da já existente”, determina Azambuja.

Calúnia e Difamação:

Para que se caracterize a calúnia, a afirmação deve imputar falso ato definido como crime (não se admitindo fato definido como contravenção penal, que poderá ser tipificado em outro dispositivo) de forma determinada e específica, onde, outrem toma conhecimento. Pena: de seis meses a dois anos, e multa.

Já a difamação caracteriza-se pela atribuição a alguém de um fato desonroso, mas não descrito na lei como crime, fator que o distingue da Calúnia. Detalhe: Não é necessário que a imputação seja falsa, ocorrendo o crime em tela no momento em que é levado a outrem os fatos desabonadores de um determinado indivíduo (sujeito passivo). Pena: de três meses a um ano, e multa.

Veja também

APOIO A INVESTIGAÇÂO Seis vereadores de Cuiabá apoiam investigação contra Pinheiro
COTA DE MULHERES Justiça cassa chapa por ter candidaturas fictícias; decisão muda quociente eleitoral
MULTADOS Ex-prefeito e ex-secretário são multados por contratar servidores públicos sem concurso público
FATO NOVO PARA 2018 “Se eu continuar no TCE, serei infeliz”, diz Antonio Joaquim
PRESTAR CONTAS Assembleia tenta passar para deputados a responsabilidade de prestar contas de verba de gabinete, mas pleno do TCE veta
R$ 503 mil Após polêmica sobre salário de juiz de Sinop, Amam diz que outros 84 receberam
Publicidade

Copyright © 2013 - 2017 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados