APOIO A INVESTIGAÇÂO

Seis vereadores de Cuiabá apoiam investigação contra Pinheiro 146


Fotografia: Reprodução

Ao menos seis vereadores já estão se mobilizando para assinar, durante sessão plenária de terça-feira (29), o requerimento para abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) a fim de investigar o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), flagrado em um vídeo recebendo propina do ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

O vídeo faz parte da delação premiada de Silval, já homologada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux.  Nas imagens, Emanuel aparece recebendo maços de dinheiro e colocando no paletó. O dinheiro, segundo a delação, era referente a um "mensalinho" pago para obter apoio de Emanuel enquanto deputado estadual.

Além do autor do pedido de CPI, vereador Marcelo Bussiki (PSB), comprometeram-se a assinar o requerimento os vereadores Abílio Júnior (PSC), Joelson Amaral (PSC), Dilemário Alencar (PROS) e Felipe Wellaton (PV). O vereador Diego Guimarães (PP) ainda estuda a possibilidade de assinar o documento, visto que se encontra licenciado.

Nos corredores da Câmara os vereadores já se referem à Comissão Parlamentar como “CPI do Paletó". De acordo com Bussiki, a criação da CPI está baseada no inciso 10º do artigo 4 do Decreto Lei nº 201/67, que dispõe sobre a responsabilidade de prefeito e vereadores, bem como define as infrações político-administrativos ao prefeito, sujeito ao julgamento da Câmara de Vereadores. Dentre elas está a de atuar de modo incompatível com a dignidade do cargo que ocupa.

“Não há como nós, vereadores eleitos pelo povo, deixarmos essa situação passar, como se nada tivesse acontecido. Existe uma gravação homologada pelo STF, não é um boato ou mexericos. Todos nós vimos e, por mais que a Justiça esteja fazendo seu trabalho, cabe sim à Câmara de Vereadores tomar uma atitude”, afirmou Bussiki.

O vereador acredita que vai conseguir o apoio dos demais vereadores, principalmente devido à pressão popular, já que movimentos sociais planejam uma manifestação para ocorrer durante a sessão plenária. A CPI só é aberta caso o requerimento apresentado por Bussiki tenha nove assinaturas, independentemente de aprovação do plenário.

“A CPI vai obrigar o prefeito a se explicar e se defender, pois ele disse que não poderia comentar o caso por estar em sigilo. Mas houve a derrubada do sigilo na semana passada e até agora nenhuma palavra de esclarecimento sobre as imagens. A população não merece que este caso, que é o primeiro na história de Cuiabá, seja jogado para debaixo do tapete. E o pior, com a anuência de 19 vereadores”, encerrou.

Assim que a CPI for criada, o presidente da Casa de Leis, Justino Malheiros, terá 48 horas para publicar uma resolução em que cria a CPI, bem como promover a nomeação dos seus membros.

Veja também

COTA DE MULHERES Justiça cassa chapa por ter candidaturas fictícias; decisão muda quociente eleitoral
MULTADOS Ex-prefeito e ex-secretário são multados por contratar servidores públicos sem concurso público
FATO NOVO PARA 2018 “Se eu continuar no TCE, serei infeliz”, diz Antonio Joaquim
PRESTAR CONTAS Assembleia tenta passar para deputados a responsabilidade de prestar contas de verba de gabinete, mas pleno do TCE veta
R$ 503 mil Após polêmica sobre salário de juiz de Sinop, Amam diz que outros 84 receberam
BANCO DE MINISTRO Banco do ministro Blairo Maggi começará a operar nos próximos dias em Cuiabá
Publicidade

Copyright © 2013 - 2017 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados