• Diamantino, 28/05/2018
  • Dólar: R$
  • Euro: R$
  • Fonte Yahoo Exchange
SUS

SUS oferece tratamento clínico e reabilitação a pacientes com esclerose múltipla 251


O Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla é lembrado nesta quarta-feira (30). Em 2016, foram registradas 3.185 internações por complicações relacionadas à doença pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Apenas em 2017, de janeiro a maio, foram registradas 1.599 internações de pacientes com esclerose múltipla.

O Ministério da Saúde estima que 35 mil pessoas convivem com a doença no Brasil, sendo que aproximadamente 15 mil estão em tratamento atualmente no SUS.

A Associação Brasileira de Esclerose Múltipla destaca que a abordagem dos pacientes precisa ser ampla, com equipe multidisciplinar. A entidade ressalta ainda o impacto psicológico e a imprevisibilidade dos sintomas. “É importante o suporte médico, fisioterápico, psicológico, fonoaudiológico, além do suporte medicamentoso”, informa.

A doença é neurológica, crônica e autoimune – ou seja, as células de defesa do organismo atacam o próprio sistema nervoso central, provocando lesões cerebrais e medulares, o que causa distúrbios na comunicação entre o cérebro e o corpo. Afeta normalmente adultos entre 18 e 55 anos de idade.

Entre os principais sintomas estão fadiga, formigamento ou queimação nos membros, visão embaçada, dupla ou perda da visão, tontura, rigidez muscular e problemas de cognição.

Tratamento

Atualmente, o SUS oferta 44 procedimentos (clínicos e de reabilitação) para a doença, de forma integral e gratuita, de acordo com as diretrizes terapêuticas determinadas pelo Protocolo Clínico da Esclerose Múltipla. São oferecidos seis medicamentos para o tratamento da doença: betainterferona (1a injetável e1b injetável); fingolimode 0,5 mg; glatiramer 20 mg injetável; natalizumabe 300 mg; azatioprina 50 mg; e o metilprednisolona 500 mg.

Em maio deste ano, o SUS também passou a oferecer mais um medicamento para pacientes diagnosticados com esclerose múltipla, a teriflunomida, que ajuda a reduzir os surtos e a progressão da doença. De acordo com o Ministério da Saúde, o remédio será o primeiro medicamento da primeira linha de cuidado, por via oral.

Além disso, o sistema público tem 277 hospitais habilitados com Unidade de Assistência ou Centro de Referência de Alta Complexidade em Neurologia/Neurocirurgia em todo o País. Mais de R$ 279 milhões foram investidos na aquisição de remédios que tratam a doença em todo o ano de 2016.

Veja também

PROTESTO Caminhoneiros fecham 12 trechos de rodovias federais contra reajuste
CONSCIENTIZAÇÃO Projeto “Idosos Órfãos de Filhos Vivos” tramita na Assembleia
SELETIVO Prefeitura abre processo seletivo com 21 vagas e salários que chegam a R$1,7 mil
AGROEXPORTAÇÕES/CARNE Embargo Europeu à carne Brasileira afeta dois frigoríficos em Mato Grosso
ESTE ANO MT tem sete mortes confirmadas por H1N1 em 218, diz boletim da Saúde
ECONOMIA Petrobras anuncia novo aumento para o diesel e a gasolina
Publicidade

Copyright © 2013 - 2018 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados