• Diamantino, 19/07/2018
  • Dólar: R$
  • Euro: R$
  • Fonte Yahoo Exchange
TRIBUTOS

Fecomércio quer Frente Parlamentar contra Pirataria e contrabando 563

Proposta será discutida durante reunião do Colégio de Líderes da ALMT


Fotografia: Reprodução

A Assembleia Legislativa vai discutir, nesta semana, a criação da Frente Parlamentar contra a pirataria e contrabando. O pedido foi feito ao presidente Eduardo Botelho (PSB), durante reunião nesta terça-feira (19.09), pelo presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo – Fecomércio, Hermes Martins da Cunha.

Botelho assegurou levar a discussão para a reunião do Colégio de Líderes, momento em que também deverá ser definida a composição dessa comissão. O combate à sonegação fiscal e contrabando foi intensificado com a “Campanha Contra a Pirataria e Contrabando”, lançada pela Fecomércio no último dia 4.

Cunha explicou a importância da parceria com a Casa de Leis. “A Frente parlamentar atuaria em prol do setor que mais arrecada impostos e gera empregos, o comércio de bens, serviços e turismo”, diz trecho do pedido. Também colocou à disposição a Renalegis, Rede Nacional de Assessoria Legislativa, que atua no âmbito legislativo dentro da Fecomércio em sintonia com a Confederação Nacional do Comércio – CNC.

De maneira continuada, a campanha conta os parceiros Delegacia do Consumidor, Procon-MT, Sefaz, Rede de Controle e Gestão, Tribunal de Contas do Estado – TCE, Polícia Rodoviária Federal e Associação Mato-grossense dos Municípios – AMM.

De acordo com a Fecomércio, a pirataria e o contrabando estão entre os principais inimigos da economia, visto que por ano no Brasil, geram uma evasão fiscal de aproximadamente R$ 40 bilhões. Destaca, ainda, que com a soma dessa montante às perdas setoriais, o prejuízo salta para R$ 130 bilhões. A Aliança Latino-Americana Anticontrabando estima que o mercado ilegal represente 2% de perdas do PIB da américa Latina.

A instalação da Frente Parlamentar, segundo a instituição, vai ajudar a superar a crise que assola o setor. Conforme a Fecomércio, a economia sofreu um duro golpe nos últimos dois anos, quando muitas empresas não suportaram a crise e fecharam as portas. Contudo, nos últimos meses, a economia voltou a reagir dando esperança à classe comercial. Também chama a atenção para outros fatores que prejudicam o setor comercial, é o caso da política tributária em vigor, que descreve como ‘catastrófica’ e a disputa de clientela com o mercado informal.

Veja também

Alianças Veto do PSL a aliança com tucanos e mais 8 siglas complica Selma e Galli na disputa
Diamantino nada!!! Recurso sobre mandatos de vereadores entra na pauta do TRE
PSDB Moro contrariou quatro vezes ordens de tribunais superiores
Laranja 2016 MP aguarda decisão contra nove parlamentares por uso de 'laranjas' nas eleições de 2016
TRABALHO E DIVERSÃO Galli assiste a jogo da Copa do Mundo em pleno debate sobre agrotóxicos na Câmara
PRÉ-CANDIDATO Pivetta mantém pré-candidatura após decisão de Mauro Mendes
Publicidade

Copyright © 2013 - 2018 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados