• Diamantino, 21/05/2018
  • Dólar: R$
  • Euro: R$
  • Fonte Yahoo Exchange
RUMO ÀS ELEIÇÕES

Wellington aceita Juarez como vice, mas diz que decisão pertence às siglas aliadas 983


Fotografia: Gilberto Leite

Pré-candidato ao Governo do Estado pela oposição, o senador Wellington Fagundes (PR) recebeu do MDB a indicação do ex-prefeito de Sinop Juarez Costa para vice na chapa majoritária que está articulando. No entanto, afirma que a decisão será tomada às vésperas das convenções que acontecem entre final de julho e início de agosto pelo chamado fórum de partidos que agrega PR, MDB, PP, PTB, PSB, além da proximidade com o PCdoB.

“O Juarez Costa eu conheço muito bem. Foi um excelente prefeito em Sinop, mas a decisão é do fórum dos partidos. Tenho autorização para conversar com todos os segmentos partidários e com a sociedade mato-grossense. Não vou decidir sozinho. Quero decidir em conjunto e os nomes apresentados serão levados a todos que fazem parte do projeto político”, declarou Wellington na abertura do encontro do PR para debater o processo eleitoral de outubro, realizado na tarde desta segunda (26), no Delmonde Hotel, em Cuiabá.

A articulação para Juarez ser candidato a vice foi divulgada em primeira mão pelo RDnews em 20 de fevereiro. O nome do ex-prefeito foi defendido pelo presidente do MDB em Mato Grosso, deputado federal Carlos Bezerra.

Outro nome destacado por Wellington é a ex-reitora da UFMT Maria Lúcia Cavalli Neder. Filiada ao PCdoB do segundo suplente Manoel Motta, a professora aposentada é pré-candidata ao Senado.

Wellington ainda lembra que está tentando ampliar o número de partidos na coligação. Os alvos da investida política são DEM, PSD e PT.

Sobre o DEM, Wellington lembra que o ex-governador Júlio Campos tem dito que a sigla pretende apoiá-lo caso Mauro Mendes ou Jayme Campos não sejam candidatos a governador. Além disso, afirma que existe indicativo da direção nacional do PT para firmar coligação com o PR em Mato Grosso.

“Ontem participei de reunião com PSD e a probabilidade de estarmos juntos é grande. Estamos conversando e cada partido tem sua reivindicação. O vice-governador Carlos Fávaro é pré-candidato a senador e temos que conversar bastante para cada uma achar seu espaço”, completou.

Ao reafirmar que o fórum de partidos faz oposição ao governador Pedro Taques (PSDB), Wellington critica a postura do tucano perante os demais líderes políticos do Estado, a qual classifica como “exclusivista e tacanha”.

“Vocês se lembram na nossa diplomação. Eu me coloquei à disposição e disse que tínhamos que trabalhar por Mato Grosso. O governador, na sua forma exclusivista e tacanha, respondeu que não precisava de senador para andar em Brasília. Não fiquei com raiva. E fui trabalhar, mas o governador teria que liderar esse processo. A primeira atitude dele foi pedir o impeachment da presidente, isolando Mato Grosso”, criticou o senador.

Além disso, Wellington garante não temer ataques durante o processo eleitoral e diz que não está preocupado com adversários que precisará enfrentar. Também minimiza o fato de ter sido derrotado quando disputou a Prefeitura de Rondonópolis.

“Sempre tem que ter a primeira vez. Mário Covas foi candidato a prefeito de Santos e perdeu. Depois, um dos melhores governadores que o Brasil já teve. Tenho a experiência de estar em Brasília por todos esses mandatos e agora como senador da República. Já provei que estou pronto, estou com vontade e estou preparado”, concluiu.

Veja também

RISCO TCE vê risco de colapso financeiro em MT e veta pagamento de RGA para servidores
SINTO DECEPÇÃO Fávaro diz que evitou romper com Taques antes para não desestabilizar MT
POLÍTICA “DEM marchará com Pedro Taques”, crava Wilson, apesar de críticas de Mendes e Júlio
SAIBA QUEM 31 ex-aliados decidem assinar manifesto contra reeleição de Taques
DELAÇÃO NA CARAMURU Empresário deverá devolver R$ 1 milhão para se livrar de ação
APÓS DECISÃO DO STF Juiz Sérgio Moro determina a prisão do ex-presidente Lula
Publicidade

Copyright © 2013 - 2018 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados