• Diamantino, 17/07/2018
  • Dólar: R$
  • Euro: R$
  • Fonte Yahoo Exchange
POLÍTICA

“DEM marchará com Pedro Taques”, crava Wilson, apesar de críticas de Mendes e Júlio 666


Fotografia: Reprodução

Do alto da experiência de quem já disputou 13 eleições e venceu 10, o deputado estadual Wilson Santos (PSDB), líder em exercício do governo na Assembleia Legislativa, tem sido um dos principais articuladores pró reeleição do governador José Pedro Taques (PSDB). E é por conviver há décadas nos bastidores políticos de Mato Grosso que o ‘Galinho’ tira da manga ma tese no mínimo bombástica para a atualidade, prevendo a continuidade do Democratas, com Jayme Campos e Mauro Mendes, no palanque de Taques.

“Pode anotar aí: o DEM marchará com Pedro Taques! E quem tem coração fraco, pode se preparar e fazer os exames cardíacos. Política é território do imponderável”, afirmou Wilson, que considera plenamente viável a tese pró reeleição do atual governador.

E o cálculo de Santos é muito próxima daquela projeta pelo presidente da Executiva do PSDB, Paulo Borges Júnior, de que a aliança pró reeleição de Pedro Taques deve ter mais de 10 partidos. “O governador trabalha para melhorar Mato Grosso. Eu sei que já conta com PSDB, PSB, PPS, Solidariedade e Patriota, mas há conversa com vários outros partidos”, observou ele, para a reportagem do Olhar Direto.

Wilson foi quatro vezes candidato à Prefeitura de Cuiabá e venceu duas; uma vez vereador, duas vezes deputado federal e quatro vezes deputado estadual. “Aliança com uns 10 partidos; talvez mais. Provavelmente o DEM estará com o Pedro. Em política, eu só não vi boi voar. Mas se alguém me contar, eu também não duvido”, avaliou Santos, em tom jocoso.

Críticas de ex-aliados

Wilson trata de não dar ênfase às críticas dos ex-aliados Mauro Mendes, Júlio Campos (DEM) e Otaviano Pivetta (PDT), entre outros, à gestão do governador Pedro Taques. “Nosso trabalha é para aproximar as pessoas e com a paz. Faço política na linha da amizade”, pontuou ele.

O relacionamento de Mauro Mendes com Pedro Taques, para o líder em exercício do governo, pode ser reconstruído, porque houve respeito nas tratativas. “Por tudo que Taques fez pela gestão Mauro Mendes, como o Hospital São Benedito, destinando R$ 3 milhões para cirurgias ortopédicas e neurológicas. Alias, se não fosse Taques, não existiria Hospital São Benedito; sem taques, as obras do novo Hospital e Pronto Socorro Municipal não estaria andando, pois o governo está bancando dois terços de tudo o que está sendo investido para construir o novo hospital. Quase toda semana Taques está vistoriando”, lembrou Wilson.

“E o [ex-prefeito] Mauro Mendes também trabalhou duro para a realização desta obra. Silval Barbosa não foi o parceiro que Mauro queria na gestão municipal. O programa de asfalto em vários bairros só foi possível com parceria de Pedro Taques. Recapeamento da Prainha, da XV de Novembro e da Rubens de Mendonça (CPA) só foi possível porque Taques pagou a maior parte”, recordou Wilson, traçando um breve histórico das parcerias da Prefeitura de Cuiabá com o governo, nos últimos anos.

“Como se deram tão bem, podem ficar juntos novamente. Mauro veio do interior de Goiás, de onde pessoas têm sentimento de gratidão enorme. Defendo que o grupo continue junto. Penso que se  Mauro Mendes tivesse paciência e compusesse a chapa com taques, seria muito bacana”, complementou Santos.

"Histórias de Wilson"

Em entrevista anterior, em que também defendeu a manutenção da aliança PSDB-DEM em MT, Wilson chegou a sugerir que Mauro Mendes aceite ser vice de Taques neste ano para que assuma em 2022 a condição de candidato "natural" do grupo político.

“Eu agradeço à sugestão do Wilson, mas ele falou a frase que na política só não viu boi voar, não é isso? Então eu acho que essa é mais uma dessas histórias de boi voando que o Wilson conta por ai”, ironizou Mendes.

Conversas mantidas

O ex-governador Jayme Campos (DEM) garantiu em entrevista concedida na manhã de quinta-feira (26), que mantém diálogo com Pedro Taques (PSDB), mas ao mesmo tempo conversa com a oposição.

“Não vamos tomar nenhuma decisão de forma intempestiva. Vamos fazer mais uma três pesquisas, analisar os cenários, para saber de fato qual o jogo e qual o time que tem que ser escalado para jogar. Até mais ou menos o dia 05 de junho encerramos as pesquisas, aí sim vamos tomar um rumo. Política não tem um partido, tem ganhador e perdedor. E eu, particularmente, gosto muito de ganhar”, disse Jayme, sobre os rumos possíveis que o DEM pode tomar.

Veja também

PSDB Moro contrariou quatro vezes ordens de tribunais superiores
Laranja 2016 MP aguarda decisão contra nove parlamentares por uso de 'laranjas' nas eleições de 2016
TRABALHO E DIVERSÃO Galli assiste a jogo da Copa do Mundo em pleno debate sobre agrotóxicos na Câmara
PRÉ-CANDIDATO Pivetta mantém pré-candidatura após decisão de Mauro Mendes
Prefeito confirma realização de concurso com inicio em agosto deste ano.
FALTA COMBUSTÍVEL Veículos oficiais da AL estão parados e sessões ordinárias podem ser suspensas
Publicidade

Copyright © 2013 - 2018 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados