• Diamantino, 19/12/2018
  • Dólar: R$
  • Euro: R$
  • Fonte Yahoo Exchange
VOTAÇÃO

Carlos Alberto da Rocha é eleito presidente; Maria Helena será vice 332

Eleição no Judiciário não teve disputa, já que, para todos os cargos, havia apenas um candidato


Fotografia: Reprodução

O desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha foi eleito presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso para o biênio 2019/2020.

 

A escolha foi feita na manhã desta quinta-feira (11), em sessão administrativa do Pleno do TJ.

 

Como o magistrado foi candidato único ao cargo devido a desistência do desembargador Juvenal Pereira da Silva, na semana passada, o Pleno, composto por 30 desembargadores, apenas homologou a candidatura de Rocha.

 

Para os demais cargos também não houve disputa, uma vez que o desembargador José Zuquim desistiu de tentar a Corregedoria Geral minutos antes da eleição.

 

Maria Helena Gargaglione Póvoas foi eleita vice-presidente, enquanto Luiz Ferreira da Silva será o corregedor geral da Justiça.

 

Prometo jamais decepcionar os colegas que confiaram em mim e também os advogados, juízes e servidores. Agradeço todo o apoio da minha família, há muito tempo que estamos lutando por isto. Deus escreve certo por linhas tortas. Este é o momento ideal para que eu estivesse neste cargo

A atual diretora do TJ é composta pelo presidente Rui Ramos, pela vice-presidente Marilsen Addario e pela corregedora Maria Aparecida Ribeiro. A posse da nova diretoria acontece no dia 19 de dezembro.

 

Em breve discurso, após ser escolhido presidente do TJ, Rocha afirmou que fará o melhor pelo Judiciário.

 

"Prometo jamais decepcionar os colegas que confiaram em mim e também os advogados, juízes e servidores. Agradeço todo o apoio da minha família, há muito tempo que estamos lutando por isto. Deus escreve certo por linhas tortas. Este é o momento ideal para que eu estivesse neste cargo. Prometo que farei o melhor para todos", afirmou.

 

Já a vice-presidente eleita afirmou que irá atuar para coibir um dos mais graves problemas sociais, a violência contra a mulher.

 

"O TJ tem um trabalho que vem sendo muito bem feito por outras administrações. Nós estamos com a missão de reconectar todos os trabalhos, inclusive fazendo com que o PJE possa realmente ser compreendido por todos. Vamos enfrentar questões de mulheres que são vítimas de violência doméstica também. A Lei Maria da Penha precisa ser aparelhada para que possa funcionar. Ela está capenga, pois não se consegue dar efetividade", disse.

 

O novo corregedor-geral de Justiça destacou em seu discurso que assumir o cargo é um trabalho difícil.

 

"Se precisar de correções, faremos e esperamos que não tenhamos erros de juízes. Quero trabalhar para ajudar, melhorar", afirmou.

 

Currículos

 

Carlos Alberto Alves da Rocha

 

Natural de São Paulo e formado em Psicologia pelas Faculdades Farias Brito (hoje Universidade de Guarulhos) e em Ciências Jurídicas e Sociais pelas Faculdades Integradas de Guarulhos (SP), Carlos da Rocha foi aprovado no concurso para a Magistratura de Mato Grosso em 1985. Em 2008, foi empossado desembargador.

 

Ele chegou ao posto de desembargador pelo critério de merecimento após a aposentadoria de Ernani Vieira de Souza, em novembro de 2007.

 

Como juiz, ele atuou nas comarcas de Nortelândia, Arenápolis, Porto dos Gaúchos, Juara, Nobres, Rosário Oeste, São José do Rio Claro, Cuiabá, Sinop e Diamantino.

 

Atuou ainda no Juizado Especial do Bairro Planalto (Cuiabá); como juiz auxiliar da Presidência do TJMT e como juiz presidente da Segunda Turma Recursal Cível dos Juizados Especiais. Antes da promoção para o cargo de desembargador, atuava como juiz substituto de Segundo Grau.

Maria Helena Gargglione Póvoas

 

Alair Ribeiro/MidiaNews

Luiz Ferreira da Silva Carlos Alberto Alves da Rocha Maria Helena Póvoas

Da esquerda para a direita: os desembargadores Luiz Ferreira da Silva, Carlos Alberto da Rocha e Maria Helena Póvoas

É natural de Cuiabá, formada pela Universidade Federal de Mato Grosso e inscrita na OAB/MT desde 25 de maio de 1983. Possui curso de pós graduação em Direito Processual Civil na Universiade de Cuiabá.

 

Foi presidente a OAB/MT no biênio de 1993/1995 e triênio 1995/1997. Militou como advogada de Mato Grosso de 1983 a 2005. Entrou para a Magistratura em fevereiro de 2005 na vaga do Quinto Constitucional da OAB.

 

Atuou como presidente da Segunda Câmara Cível do TJMT e presidente da Primeira Turma das Câmaras Reunidas. Foi vice presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Estado no biênio 2013/2015 e eleita presidente do TRE para os anos de 2015 a 2017.

 

Luiz Ferreira da Silva

 

Natural de Será Verde (RN), o desembargador é bacharel em Direito pela UFMT. Exerceu advocacia entre 1975 a 2008. Atuou em segmentos na OAB, como Conselho da Ordem, Tribunal de Ética e Disciplina.

 

Foi nomeado em 9 de outubro de 2008 como desembargador do TJMT, na vaga do Quinto Constitucional da Ordem dos Advogados do Brasil.

 

Foi juiz membro substituto, na categoria desembargador do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso para o biênio 2011/2013; membro de diversas comissões da corte da Justiça; membro do Conselho Consultivo da Escola Superior da Magistratura; vice-presidente e corregedor Geral da Justiça Eleitoral do TRE para o biênio 2015/2017; membro da Comissa da Comissão de Bibliotecas do TJ em 2015 e 2016, vice-presidente do Colégio de Corregedores dos Tribunais Regionais Eleitorais no biênio 2015-2016.

Veja também

Nova Mutum Rosariense Altair Albuquerque é eleito presidente da câmara de Nova Mutum
Wener Santos foi convidado para assumir a Secretaria Adjunta de Cidades
SUSPENSO Justiça derruba atos da Câmara e devolve cargo à prefeita de Denise
BBC Da cadeia, Lula diz que venceria Bolsonaro e acusa Moro de ‘fazer política e não justiça’
HOJE Oposição do executivo vai disputar presidência da Câmara de Acorizal
PAUTA Senador de MT apresenta parecer favorável ao fim da aprovação automática de alunos
Publicidade

Copyright © 2013 - 2018 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados