• Diamantino, 22/10/2020
SILVAL

Justiça desbloqueia imóvel de ex-mulher de assessor que gravou propina em MT

G.F.S. provou que adquiriu e pagou imóvel antes de se casar com Sílvio Correa


 


O juiz da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, Bruno D’Oliveira Marques, determinou o desbloqueio de um imóvel, em Cuiabá, que pertence a G.F.S.. Ela é ex-esposa de Sílvio César Corrêa de Araújo, “homem de confiança” do ex-governador Silval Barbosa (sem partido).


Sílvio foi a pessoa que gravou deputados estaduais e políticos de Mato Grosso recebendo uma suposta propina. A decisão do juiz Bruno D’Oliveira Marques foi publicada nesta quinta-feira (30).


De acordo com informações do processo, G.F.S., que foi casada com Sílvio apenas 7 meses entre o fim de 2013 e o início de 2014, interpôs um processo na Justiça alegando ser a verdadeira proprietária de um imóvel que foi bloqueado na Justiça. O bem sofreu a restrição no âmbito de uma das ações judiciais que apuram o recebimento de propina de parlamentares estaduais, que exigiam os recursos ilícitos para “apoiar a gestão” do ex-governador Silval Barbosa.


A proprietária do bem, no entanto, alega na Justiça que adquiriu e quitou o imóvel antes de se casar por regime de comunhão parcial de bens com Sílvio César Corrêa, então chefe de gabinete de Silval Barbosa, no ano de 2013. O juiz Bruno D’Oliveira Marques reconheceu seus argumentos.







“Em amparo à alegação sobre a data de quitação do imóvel também ter sido anterior ao casamento, a embargante juntou a autorização que recebeu da construtora/incorporadora para providenciar a escritura do imóvel, documento esse datado de 01.08.2013. Com efeito, se a autorização para escritura do imóvel se deu em 01.08.2013, resta também comprovado que a quitação do imóvel é anterior ao matrimônio [01.09.2013]”, explicou o juiz.


Com a decisão, a propriedade em Cuiabá deixa de estar relacionada a ordens futuras de bloqueio, podendo inclusive ser vendida por G.F.S. se assim desejar.


BLOQUEIO


O imóvel em disputa pelo ex-casal foi bloqueado em 2018 no âmbito de uma ação que apura o recebimento de uma suposta propina pelo ex-deputado estadual Carlos Antônio de Azambuja, o “Dr. Azambuja”. Ele foi flagrado por uma câmera oculta instalada no gabinete de Silvio Cezar Corrêa, no Palácio Paiaguás.


Além de Azambuja, outros parlamentares da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) também foram gravados recebendo dinheiro das mãos do próprio Silvio Corrêa. As imagens ganharam repercussão nacional após sua veiculação numa reportagem do Jornal Nacional que foi ao ar em agosto de 2017.


A ação que tramita no Poder Judiciário Estadual tem como réus o ex-governador Silval Barbosa, o ex-secretária adjunto de transportes e pavimentação urbana, Valdir Juliano Viriato, o ex-secretário da Secopa, Maurício Guimarães, o ex-Chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf – além de Azambuja e Silvio Corrêa.


Em 2018 a Justiça determinou o bloqueio de R$ 1 milhão do grupo

Veja também

SOBRE FAKE NEWS Professoras da rede estadual ensinam a checar se notícias são verdadeiras
LUTA Carteiros e entregadores dos Correios entram em greve: tempo indeterminado
MATO GROSSO Caixa liberou R$ 2,3 bilhões em auxílios à pessoa física, revela superintendente
DIAMANTINO Instituto Hercule Florence ganha página no google arts e cultura
VISITA AO NORTÃO olsonaro deve voltar a MT para entrega de títulos de dois assentamentos rurais
PANDEMIA JBS já alocou mais de R$ 19 milhões em doações em Mato Grosso para enfrentamento à pandemia
Publicidade

Copyright © 2013 - 2020 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados