• Diamantino, 25/05/2020
NA MIRA

MPE investiga doação de terreno público para vereador em MT

Órgão de controle quer saber se a doação foi feita dentro dos padrões estabelecidos em lei


O MPE (Ministério Público Estadual) abriu inquérito civil para investigar em que condições e por quais motivos se deu a doação de um terreno de cerca de 19 mil metros quadrados ao vereador da cidade de Reserva do Cabaçal (distante 383 quilômetros de Cuiabá), Pedro Paulino de Souza (MDB) e esposa, Emanuele Pereira Volp Souza.  O procedimento foi aberto no último dia 13 de fevereiro.


 


Conforme a promotora de justiça responsável por converter a notícia de fato em inquérito, Mariana Batizoco Silva Alcântara, o órgão de controle quer saber se a doação foi feita dentro dos padrões estabelecidos em lei, dentro do correto procedimento administrativo — que inclui abertura de processo licitatório em livre concorrência — e baseado em qual interesse social.


 


No texto expedido pelas Promotorias de Justiça da Comarca de Araputanga , o objeto do procedimento é averiguar a doação da área situada na Rua das Américas, esquina com Rua Sem Denominação, lote 06 da quadra B.





 


Um imóvel público de aproximados 19.326,94 m², “sem procedimento administrativo, prévia avaliação, lei de desafetação, licitação e sem a real e devida justificativa em como isso seria de interesse público ou social”.



 


Pra piorar, de acordo com o MPE, entre as informações repassadas pela prefeitura da cidade não consta sequer uma autorização legislativa para o procedimento ser efetivado.


 


Outra inconformidade e ofensa à legislação inclui a não-avaliação do imóvel e prévia autorização da Câmara Municipal. No fim, a promotora ainda afirma que há algo ainda mais grave no ato, pois o terreno é parte de uma área de regularização fundiária, o Jardim João Evangelista II.


 


Outro lado


 


O vereador justifica o recebimento do terreno dizendo que não se trata de uma doação, mas de um procedimento de regularização fundiária porque o município teria unificado todo perímetro urbano e na sequência aprovou um Projeto de Lei autorizando a doação do título, não do imóvel, dentro do Programa Tequenfim, do ex-governador Blairo Maggi. Essa lei autorizaria ao município a doar o título do imóvel às pessoas que comprovassem a propriedade de fato.


 


Ele teria somente entrado com o processo de regularização de imóveis que já eram de sua propriedade. O tamanho da área equivaleria a três terrenos, não um só.


 


A necessidade da nova legislação, continuou, viria do fato de que o município de Reserva do Cabaçal consta como proprietário legal de uma grande parte da cidade, sem distinção de serem ou não imóveis privados e até residências. A documentação, legal e regular, disse, já foi enviada ao MPE. Ele também se diz à disposição da promotoria para quaisquer esclarecimentos que se fizerem necessários.

Veja também

DIAMANTINO Funcionário de frigorífico de Diamantino é preso por planejar roubo de caminhonete em Nova Mutum
LUTO Botelho lamenta morte de assessor após luta contra leucemia
ALTO PARAGUAI Avenida Joaquim Murtinho entra na fase final de asfaltamento
AJUDA Câmara aprova auxílio de R$ 500 para autônomos em Cuiabá; veja quem tem direito
NOBRES PM faz doação de alimentos para famílias carentes em Nobres
SÃO JOSÉ DO RIO CLARO Câmara recebe Projeto de Iniciativa Popular para redução de salário de vereadores
Publicidade

Copyright © 2013 - 2020 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados