• Diamantino, 27/11/2021
FERROVIA

Botelho diz que se Governo Federal não quiser ferrovia, Estado tem que fazer; 2 anos para chegar em Cuiabá

Em outubro, a Assembleia aprovou uma Emenda Constitucional nº 93/2020


Fotografia: Reprodução

Os deputados aprovaram, na última semana, em segunda votação, o Projeto de Lei Complementar nº 52/2020, que dá ao Estado autonomia para fazer concessões de ferrovias. Com isso, segundo o presidente da casa legislativa, Eduardo Botelho (DEM), Mato Grosso pode iniciar as tratativas caso o Governo Federal não o faça.


“Fizemos uma PLC que permite o estado, que já tinha o poder de fazer concessões de rodovias e marítimas, mas não tinha de ferrovias. Com essa PLC, fica permitido que o Estado faça essa concessão, pois a ferrovia está parada em Rondonópolis e, dentro do estado, o governo tem esse poder de fazer. Não há conflito com a Constituição Federal, pois ela fala de concessão interestadual. Dentro do Estado. O governo pode fazer”, explicou o presidente.

Em outubro, a Assembleia aprovou uma Emenda Constitucional nº 93/2020, que modifica o texto da Constituição Estadual, também para permitir a concessão estadual a ferrovias. Agora, o PLC precisa ser sancionado pelo Governo do Estado. O texto do projeto diz: “Esta Lei dispõe sobre o Sistema Estadual de Viação – SEV e o Subsistema Ferroviário – SFE do Estado do Mato Grosso, integrante do Sistema Nacional de Viação, bem como sobre os regimes de exploração dos serviços de transporte ferroviário de cargas e de passageiros, em consonância com a Constituição Federal e a Constituição do Estado do Mato Grosso em seus arts. 131 e 316”. O artigo 131 foi o modificado pela PEC aprovada em outubro.

Caso o governo do Estado tenha interesse em fazer a concessão da rodovia, segundo Botelho, a ferrovia pode chegar a Cuiabá em até dois anos. “Se o Governo Federal entender que quer fazer, não tem problema algum, mas se não fizer, o estado tem que fazer. A Rumo tem interesse, já esteve conosco. Tem estudo que mostra que a ferrovia é viável e tem grande interesse. Se fizer (concessão), vai começar de imediato a construção”, afirmou.

A Rumo é a maior operadora de ferrovias do Brasil e oferece serviços logísticos de transporte ferroviário, elevação portuária e armazenagem. A Companhia opera 12 terminais de transbordo, seis terminais portuários e administra cerca de 14 mil quilômetros de ferrovias nos estados de Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás e Tocantins. A base de ativos é formada por mais de mil locomotivas e 28 mil vagões.

Segundo Botelho, se o Governo tiver interesse e fizer a concessão, a Rumo deve iniciar rapidamente a construção da rodovia, já que “já tem todo os estudos prontos”. Sobre o tempo de construção, ele explica: “Eles estimam de dois a cinco anos. Dois anos é bem viável chegar a Cuiabá”.

Veja também

SELETIVO Prefeitura de Diamantino lança processo seletivo na saúde
LIDER DO PREFEITO Puxado por Michele, câmara pede demissão de servidor; outros estão na mira
CULTURA Alunos do 2º ano do Plácido de Castro prestigiam Exposição Langsdorff
SEGURANÇA Diamantino vai operar sistema de vídeo monitoramento integrado ao Ciosp
OPORTUNIDADE Seletivo em Lucas do Rio Verde tem salário de até R$ 16 mil
ELEIÇÕES OAB-MT Gisela Cardoso participa do lançamento da chapa de subseção de Diamantino
Publicidade

Copyright © 2013 - 2021 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados