• Diamantino, 19/02/2019
Sem limite

Morador de Cuiabá é condenado por ofensas a vereador 291

T.H.N (que chegou a ser preso na época dos fatos) afirmou que estava com “raiva”


O juiz da 39ª Zona Eleitoral, Jeverson Luiz Quinteiro, condenou um morador de Cuiabá por entregar correspondências na Capital chamando o vereador Marcrean Santos (PRTB) de “crentinho corrupto de merda”.


 


O Ministério Público Eleitoral, com base no inquérito policial aportado aos autos, apresentou denúncia contra T.H.N pelos seguintes fatos constantes na narrativa do Boletim de Ocorrência: “os moradores do bairro Pedregal estavam recebendo correspondências cujo conteúdo denegria o nome do vereador Marcrean Santos”.


 


Consta nos autos, que as correspondências entregues por T.H.N diziam palavras de baixo calão contra Marcrean, como: "crentinho corrupto de merda”, “mentiroso safado” “simples presidente de bairro que em pouco menos de 2 anos como vereador com esta fortuna e o povo que o elegeu na merda alguns até passando fome”.


 


Narra os autos, que o caso foi investigado pela Polícia Federal e que em depoimento T.H.N (que chegou a ser preso na época dos fatos) afirmou que estava com “raiva” de Marcrean porque ele teria feito o acusado sair do emprego e por isso, por conta própria, começou a pesquisar na internet notícias desfavoráveis ao parlamentar.


 


O morador disse que chegou a recortar notícias contra o vereador e colou em uma página e fez 2.000 cópias, que pretendia encaminhar aos moradores do bairro Pedregal e Jardim Leblon, bem na época da campanha eleitoral de 2014. Marcrean concorria ao cargo de deputado estadual.


 


Em decisão proferida na última quarta-feira (18), Jeverson Luiz Quinteiro apontou que ficou provado nos autos a configuração do crime praticado pelo morador contra o vereador Marcrean dos Santos, e o condenou ao pagamento de 08 (oito) dias-multa. Porém, a condenação foi substituída por medidas restritivas.


 


“Posto isto, substituo a pena privativa de liberdade por restritiva de direito, nos termos do art. 44 e seguintes, todos do CP[23] e, por corolário, proíbo o réu de frequentar, bares, prostíbulos, boates e estabelecimentos congêneres, pelo tempo da pena privativa de liberdade, a saber: 04 meses”, diz trecho extraído da decisão.

Veja também

ECONOMIA Sine oferta 985 vagas de trabalho; Rondonópolis e Lucas 'lideram'
CEM Mutirão espera atender 900 pacientes que estão na fila do SUS
Fundação abre seletivo para contratar mais de cem profissionais da saúde; salários de até R$ 10 mil
EDUCAÇÃO Ano letivo começa nesta segunda e professores param na terça
ACIDENTE Vídeo flagra momento em que caminhão atinge S10 em praça de pedágio;
NOVO HORÁRIO Dia 17 de fevereiro a meia noite termina o horário brasileiro de verão
Publicidade

Copyright © 2013 - 2019 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados