• Diamantino, 24/02/2020
SEDUC

Delator reafirma em audiência divisão de propina na Seduc entre Guilherme Maluf, Permínio e Alan

“Dos 100% da propina arrecadada, 25% seria do seu Permínio, que era o dono da pasta, era o secretário, 25% eu coloquei que era do Guilherme Malu


Fotografia: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Delator premiado e empresário da construção civil, Giovani Belatto Guizardi, dono da construtora Dínamo, afirmou em depoimento prestado na Sétima Vara Criminal de Cuiabá, durante a terça-feira (2), que foi o responsável por propor a divisão da propina proveniente de um cartel na Secretaria de Educação (Seduc), fatos revelados pela Operação Rêmora.


Giovani foi responsável por instrumentalizar o esquema em 2015, após o fim do governo Silval Barbosa. Entre os maiores beneficiados pelos supostos pagamentos irregulares estavam o secretário da pasta, Permínio Pinto, o então deputado estadual Guilherme Maluf (atual conselheiro do Tribunal de Contas de Mato Grosso) e o empresário e também delator Alan Malouf.

“Dos 100% da propina arrecadada, 25% seria do seu Permínio, que era o dono da pasta, era o secretário, 25% eu coloquei que era do Guilherme Maluf, era braço político da organização, 25% era do seu Alan, para que fosse efetuado o pagamento que ele havia alocado na campanha do governador Pedro Taques, 5% para o Wander [Luiz dos Reis, servidor da Seduc], 5% Fábio Frigeri [servidor da Seduc], que era o braço direito do Permínio, 5% a taxa de administração, para bancar os custos da operação, 10% ficaria comigo”, afirmou Giovani Belatto Guizardi


A divisão, segundo o empresário da construção civil, foi tratada individualmente, durante reuniões separadas com todos os supostos beneficiados. A parte de Guilherme Maluf quase sempre era acertada com Alan Malouf. Porém, segundo Guizardi, alguns acertos foram feitos diretamente com o então parlamentar.

A operação Rêmora investigou esquema de fraudes em obras de reforma e construção de escolas que inicialmente estavam orçadas em R$ 56 milhões. Diversas empresas compunham, segundo o Ministério Público, cartel capaz de gerar favorecimentos e desvio de dinheiro público.

Segundo o Gaeco, a organização criminosa que vem sendo desarticulada desde a primeira fase da Operação Rêmora era composta por três núcleos: de agentes públicos, de operações e de empresários.


O núcleo de operações, após receber informações privilegiadas das licitações públicas para construções e reformas de escolas públicas estaduais, organizava reuniões para prejudicar a livre concorrência das licitações, distribuindo as respectivas obras para empresas, que integravam o núcleo de empresários.

Por sua vez, o núcleo dos agentes públicos era responsável por repassar as informações privilegiadas das obras que ocorreriam  e também garantir que as fraudes nos processos licitatórios fossem exitosas, além de terem acesso e controlar os recebimentos dos empreiteiros para garantir o pagamento da propina.

Já o núcleo de empresários, que se originou da evolução de um cartel formado pelas empresas do ramo da construção civil, se caracterizava pela organização e coesão de seus membros, que realmente logravam, com isso, evitar integralmente a competição entre as empresas, de forma que todas pudessem ser beneficiadas pelo acordo.

Outro lado

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do atual conselheiro do Tribunal de Contas, Guilherme Maluf.

O conselheiro do Tribunal de Contas, Guilherme Maluf, reafirma o que já disse à Justiça e à sociedade, que não participou nem autorizou qualquer pessoa a  utilizar seu nome e sua posição política em sua carreira para qualquer ato ilícito no âmbito do Poder Público. Maluf pontuou que os delatores nunca apresentaram provas que garantam que suas acusações mereçam crédito e disse que confia na Justiça para que ao final do processo fique comprovada a sua inocência.

Veja também

SENADOR ACom as candidaturas de Pivetta, Fávaro e Júlio, Mauro ficará neutro, afirma Botelho
LONGEVIDADE NO PODER Carvalho elogia Botelho, mas garante que Paiaguás não interfere por reeleição na AL
REGULARIZAR TRE muda prazos para regularizar quase 600 mil títulos e evitar ausências em eleição suplementar
VIAGEM PARA A ESPANHA MPE apura se conselheiro recebeu diárias internacionais a mais
ELEIÇÕES 2020 Zé Gazzeta oficializa apoio a Cleber Soares
LUTO Morre Benedito Caetano Botelho, pai do presidente da ALMT deputado Eduardo Botelho
Publicidade

Copyright © 2013 - 2020 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados