• Diamantino, 18/09/2021
MENSAL

TJ bloqueia R$ 300 mil de deputado por participação no mensalinho da Assembleia

O deputado estadual Sebastião Rezende é acusado de receber propina na Assembleia


A 1ª Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça negou recurso do deputado estadual Sebastião Machado Rezende (PSC) e manteve o bloqueio de R$ 300 mil das contas do parlamentar. Sebastião responde a ação de improbidade administrativa por suposta participação do “mensalinho” da Assembleia durante a gestão do ex-governador Silval Barbosa.


O procesos tramita sob sigilo e o recurso foi julgado hoje (3). O Ministério Público Estadual (MPE) acusa Sebastião e outros deputados de receberem pagamento mensal para manter apoio político a Silval. O esquema é confirmado por Silval em seu acordo de colaboração premiada. No total, Sebastião teria recebido R$ 600 mil.


O MPE entrou com a ação civil pública em 1ª instância e obteve o bloqueio de R$ 300 mil. Na ação, afirma que os deputados praticavam “extorsão” contra Silval para apoiá-lo na Assembleia.


A defesa do deputado entrou com o recurso no Tribunal de Justiça afirmando que a Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular seria incompetente para julgar a ação de improbidade. Afirmava que a criação centralização desse tipo de ação na vara em Cuiabá seria ato inconstitucional feito pelo Conselho da Magistratura.


Além disso, Sebastião afirma que há “fragilidade das provas” e que sua conduta no suposto esquema não foi individualizada pelo MPE. A acusação teria se baseado exclusivamente nas declarações dos delatores, sem provas documentais. Assim, o bloqueio seria irregular, pela falta de indícios da participação dele no mensalinho.


A relatora, desembargadora Helena Maria Bezerra Ramos, discordou da defesa e votou por rejeitar tanto a questão da competência da Vara Especializada quanto a questão das evidências de participação dele no esquema.


A magistrada afirmou que há “fortes indícios de danos ao erário e de enriquecimento ilícito”. Citou que os fatos descritos pelo MPE violam a ética e os princípios morais que norteiam a administração pública, e que há elementos de prova como documentos com os nomes dos deputados que receberam a propina. O voto dela foi seguido pelos desembargadores Marcio Vidal e Maria Erotides Kneip Baranjak.

Veja também

MINISTRO NAS REDES Gilmar diz que crises fabricadas afastam país de resolver problemas reais
ORÇAMENTO BILIONÁRIO Com R$ 10 bi, Justiça Eleitoral usa 64% dos recursos para salários
RODOANEL Governo de MT e União vão investir R$ 204 mi para retomar obras
VAGA NO STF Bolsonaro indica André Mendonça, seu ministro 'terrivelmente evangélico'
CORREIOS Prefeito recebe superintendente dos CORREIOS para alinhar parcerias
HOMOFOBIA Juiz manda Edna apagar posts por atacar Cattani e impõe multa; vereadora reage
Publicidade

Copyright © 2013 - 2021 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados