• Diamantino, 27/10/2021
DIVÓRCIO

Fantástico expõe crise e separação de vice-governador e influencer em MT

Viviane Pivetta comparou cena de agressões a novela:


"Nesta novela tem dor, tem família, noites sem dormir, tem você sem conseguir comer. E não é uma novela, é dor". Essa é a avaliação da digital influencer Viviane Kawamoto, ex-mulher do vice-governador Otaviano Pivetta (sem partido).


Em entrevista ao programa Fantástico, da Rede Globo, ela relatou que o casamento deles foi conturbado, tendo como fim o episódio em que diz ter sofrido agressão por parte do vice-governador. "Nosso casamento era sempre assim. Uma discussão, vamos separar", afirmou Viviane.


 



 


Já Pivetta, tem uma avaliação diferente sobre o período de 3 anos em que estiveram juntos. "Nosso casamento era normal, salvo algumas situações que fogem da normalidade", assinalou.



Sobre o episódio no Balneário de Itapema, a influencer citou que o casamento estava em crise e ela foi depois para o apartamento do então marido. Segundo ela, para botar um ponto final na relação. "Tinha objetos pessoais meus. Fui buscar as minhas coisas e terminar a relação de forma amistosa", detalhou.


No dia 7 de julho, Viviane disse que eles trocaram algumas ofensas e ela decidiu dormir no quarto de hóspedes. Como o quarto não tem chave, ela decidiu botar uma cômoda para "travar" a porta.


Porém, pouco depois, Pivetta bateu no quarto com discurso amistoso. "Abre pra gente orar e ficar bem. Aí, depois ele disse vamos na sala para a gente conversar só uma coisinha para a gente ficar tranquilo. Eu concordei e foi o momento de encostar a cabeça e elepegou as duas mãos e começou a estrangular meu pescoço".


Ela relatou que não acreditava na situação, pois eles tinham acabado de fazer uma oração. "Dei empurrão com pé e corri pro quarto. Ele veio atrás de mim no momento em que comecei a gritar e tapou a minha boca. Na oportunidade que tive, mordi a mão dele pra me desvencilhar e corri pro banheiro", prosseguiu.


Só saiu do banheiro quando percebeu que Pivetta não estava mais no local. Desceu do prédio e acionou a Polícia Militar, denunciando que havia sido espancada pelo marido.


Já Pivetta nega ter agredido a ex. Ele contou ter sido alvo de agressões verbais e apenas se defendeu quando ela tentou agredi-lofisicamente. "Me agrediu com palavras durante o dia todo e, durante a noite, ela veio para as vias de foto e me agrediu. E, numa defesa, devo ter causado alguma lesão nela. Em nenhum momento a agredi. Ela avançou em mim e eu me defendi".


Ainda apontou que as marcas da ex-mulher poderiam ser decorrência de uma alergia a bebida. "Ela não teve lesão nenhuma. Ainda mais quando toma vinho, ela tem alergia, fica toda vermelha, incha o rosto. É normal isso".


Viviane a Pivetta passaram por avaliação do Corpo de Bombeiros. Viviane tinha lesões e escoriações no crânio, lábios e coxa esquerda. Já Pivetta, tinha lesões num dedo, tórax e bolsa escrotal.


Na viatura, ambos começaram a falar que não tinha ocorrido agressões. Porém, em depoimento ao delegado, Viviane voltou a relatar as agressões, enquanto Pivetta manteve a tese de que apenas se defendeu, mas não se lembrava dos detalhes.


O delegado decretou a prisão em flagrante de Pivetta por violência doméstica. Porém, arbitrou uma fiança de mais de R$ 6 mil para ele ser solto.


RECONCILIAÇÃO E VÍDEOS


Após o episódio em Santa Catarina, o então casal retornou em voos separados para Cuiabá. Porém, em solo mato-grossense chegou a ensaiar uma tentativa de reconciliação. "Nós reataríamos, desde que cada um ficasse em domicílio diferente".


Depois, Viviane comentou sobre o vídeo em que gravou negando as agressões. Segundo ela, houve pressão por parte de funcionários do gabinete do vice-governador. "Disseram para mim, não está convincente, grava outro. Apaga e grava outro".


Pivetta nega participação no vídeo gravado pela ex. "Não pedi. Ela estava ansiosa para se retratar", garantiu.


Além do vídeo, Viviane aponta outras formas de pressão por parte de Pivetta. Entre elas, a assinatura de uma escritura pública de declaração, em que assume que estava sob efeito de medicação e havia consumido vinho, o que a teria deixado alterada. "Mas eu falei que não estava embriagada, eu tomei remédio. Ela falou: 'é assim, se não for assim, eles não vai aceitar'. Eu falei que estaria mentindo e ele disse que se não fosse assim ele seria condenado".


A defesa de Viviane entrou na Justiça pedindo medida protetiva. Apresentou como provas a prisão em flagrante dele, a escritura pública em que muda a versão dos fatos sob pressão do ex-marido e um boletim de ocorrência em que relata a tentativa de reaproximação.


Na decisão, a Justiça de Mato Grosso concedeu a medida protetiva e determinou que Pivetta não se aproxime da ex por uma distância de 500 metros. Ainda determinou pagamento de pensão de R$ 10 mil para Viviane.


Pivetta afirmou que sua defesa vai tomar medidas contra as falsas acusações.


Assista aqui a reportagem completa

Veja também

ENCONTRADO Homem que estava desaparecido foi encontrado morto em Diamantino
GARIMPO PF volta a garimpo e queima maquinário avaliado em R$ 3 mi
ROSÁRIO OESTE Filho agride mãe ao pedir dinheiro para comprar drogas
DIAMANTINO Homem é preso por conduzir veículo sob influência de álcool e ameaça em Diamantino
SUMIRAM Condutores tombaram veículo e fugiram em Diamantino
NEGACIONISTA Covid-19 mata líder de movimento antimáscara de 30 anos nos EUA
Publicidade

Copyright © 2013 - 2021 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados