• Diamantino, 10/04/2020
FIM DA MEIA ENTRADA

Veja quem são os sertanejos que pediram a Bolsonaro o fim da meia-entrada

De acordo com a legislação, 40% dos ingressos de um evento devem ser destinados à meia-entrada


O presidente Jair Bolsonaro recebeu, nessa quarta-feira (29/1), no Palácio do Planalto, promotores de eventos culturais, artistas e cantores sertanejos, que foram manifestar apoio ao atual governo. “Nós agradecemos esse voluntário apoio. Alguns até perderam seus contratos com as respectivas empresas e foram perseguidos, mas isso não foi em vão”, disse o presidente durante a cerimônia.


Bolsonaro colocou-se à disposição do grupo para receber propostas e analisar a edição de decretos que beneficiem o setor cultural e de eventos. O presidente disse ainda que é apaixonado pela música sertaneja e que vai este ano à tradicional Festa do Peão de Barretos, em agosto na cidade do interior de São Paulo.


O locutor de rodeios Cuiabano Lima, o humorista Dedé Santana e cantores como João Neto e Frederico, Henrique e Juliano e Teodoro e Sampaio participaram do encontro na Presidência da República. Os artistas também entregaram uma carta de apoio ao governo.


Fim da meia-entrada


Em discurso, o representante da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape), Doreni Caramori, defendeu o fim da meia-entrada em eventos culturais. “Não pode o Estado brasileiro intervir na economia e tomar 50% da receita de alguns setores sem compensação. Nós precisamos corrigir essa injustiça histórica”, afirmou.


No Brasil, a política de meia-entrada é definida pela Lei Federal nº12.933/2013 que garante o benefício para estudantes, pessoas com deficiência e jovens de baixa renda com idade entre 15 e 29 anos em espetáculos artístico-culturais e esportivos. Alguns estados e municípios também têm  leis regionais que estendem o benefício, por exemplo, a professores.


De acordo com a legislação, 40% dos ingressos de um evento devem ser destinados à meia-entrada. A partir disso, os promotores podem cobrar o valor total.


Caramoni pediu ainda ao presidente Bolsonaro a regulamentação de questões trabalhistas do setor e um novo modelo de cobrança de direitos autorais. Hoje, o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), uma associação privada, é responsável pela arrecadação dos direitos autorais das músicas tocadas em execução pública no Brasil.


Emissoras de rádio e televisão, shows, eventos, internet, bares, restaurantes, casas de espetáculos, lojas, boates, cinemas, academias, hotéis, plataformas de streaming, entre outros, são cobrados por direitos autorais. No ano passsado, O Ecad distribuiu R$ 986,5 milhões para 383 mil artistas e outros titulares.


Participaram do encontro, de acordo com o Planalto, os cantores:


Bia Ferraz


Breno Ferreira


Bruno e Marrone


Cesar Menoti e Fabiano


Cleber e Cauan


Cuiabano Lima


Dedé Santana


Dipaulo e Paulino


Duduca e Dalvan


Durval e Davi


Edu Braga


Gian e Giovani


Gilberto e Gilmar


Henrique e Juliano


Héster e Helena


Hugo e Guilherme


Hungria


Israel Novaes


Jads e Jadson


Jefferson Moraes


João Neto e Frederico


João Reis


Kleo di Bah


Matheus e Kauan


Marcos Brasil


Marcus Paulo e Marcelo


Max e Luan


Paraná


Paulo Pires


Racine e Rafael


Rejane Carminati


Samuel (Os Parazinhos)


Saonara Power Santana


Teodoro e Sampaio


Tiago (Os Parazinhos)


Zé Henrique e Gabriel

Veja também

CONSUMIDORES Pesquisa aponta que cada mato-grossense consome 24kg de carnes e 36kg de laticínios por ano
TECNOLOGIA MP passa notificar vítimas e investigados por WhatsApp em MT
FERIADOS Ano novo tem 11 feriados nacionais em dias de semana
CONTOU PARA GIOVANNA EWBANK Caio Castro diz que já ficou excitado em cena de novela
VEJA FOTO Ator global posta foto nu em rede social e movimenta a web
APÓS POLÊMICA MC Gui: “Não tenho condição de subir ao palco”
Publicidade

Copyright © 2013 - 2020 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados