• Diamantino, 04/04/2020
PECULATO

STJ eleva pena de ex-deputado e o impede de assumir na AL

Ministro Ribeiro Dantas não levou em consideração argumentos de recurso de ex-parlamentar


O Superior Tribunal de Justiça fixou em 15 anos, seis meses e 20 dias a pena do ex-deputado estadual Gilmar Fabris, condenado pelo crime de peculato cometido quando ele era integrante da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa. Além disso, foi mantida a inelegibilidade do ex-parlamentar.


 


A decisão é em resposta a um recurso especial impetrado pela defesa e um agravo intreposto pelo Ministério Público Estadual, em razão da condenação pelo Tribunal de Justiça do Estado, em 2018. Com isso, Fabris também fica impedido de assumir o mandato na Assembleia, para a qual foi eleito em 2018.


 


Na época, o relator do caso, o desembargador Pedro Sakamoto, estabeleceu a pena em 6 anos e oito meses de prisão.


 


 


Nas razões do recurso especial, o Ministério Público aponta contrariedade ao art. 59 do Código Penal, argumentando que a pena base foi fixada em apenas um ano acima do mínimo legal, "apesar de valoradas negativamente 4 (quatro) circunstâncias judiciais".


 


Já a defesa citou a violação ao princípio da retroatividade, uma vez que o delito teria sido praticado antes da Lei n. 12.234/2010, que trata de prescrição. "E a retroação, por sua vez, não teria alcançado o período entre a ocorrência do fato e o recebimento da denúncia", argumentou.


 


A decisão do ministro Ribeiro Dantas não considerou o recurso de Fabris, levando em consideração apenas os argumentos do Ministério Público.


 


“Ante o exposto, com amparo no art. 253, parágrafo único, II, "c", conheço do agravo interposto pelo Ministério Público para dar provimento ao recurso especial, fixando a pena definitiva de Gilmar Donizete Fabris em 15 (quinze) anos, 6 (seis) meses e 20 (vinte) dias de reclusão, em regime fechado, mantido o restante do acórdão combatido. Não conheço do recurso especial interposto por Gilmar Donizete Fabris”, escreveu o ministro.


 


O caso


 


Fabris havia sido condenado pelo Tribunal de Justiça, por 15 votos a 8, por participação em um esquema que desviou R$ 1,5 milhão dos cofres da Assembleia Legislativa em 1996. O caso foi descoberto pela Operação Arca de Noé, deflagrada em 2002.


 


Segundo a acusação, o parlamentar atuava em conjunto com o então primeiro-secretário da Assembleia, José Riva, e com outros servidores.


 


Na época, a maioria dos desembargadores votou contra o relator Pedro Sakamoto e reconheceu haver provas de que o parlamentar cometeu o crime de peculato (desvio de recursos públicos) quando ocupava, à época, o cargo de presidente da Casa.


 


As investigações do Ministério Público Estadual identificaram que Fabris, Riva e um servidor assinaram 123 cheques, totalizando R$ 1,5 milhão, que foram emitidos a mais de 30 empresas fantasmas por supostos serviços prestados à Assembleia.

Veja também

ASSEMBLEIA Janaina conta com apoio de 10, mas crê em reeleição de Botelho à presidência
SENADOR ACom as candidaturas de Pivetta, Fávaro e Júlio, Mauro ficará neutro, afirma Botelho
LONGEVIDADE NO PODER Carvalho elogia Botelho, mas garante que Paiaguás não interfere por reeleição na AL
REGULARIZAR TRE muda prazos para regularizar quase 600 mil títulos e evitar ausências em eleição suplementar
VIAGEM PARA A ESPANHA MPE apura se conselheiro recebeu diárias internacionais a mais
ELEIÇÕES 2020 Zé Gazzeta oficializa apoio a Cleber Soares
Publicidade

Copyright © 2013 - 2020 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados